Bebê prematuro: muito amor e cuidados necessários

maio 7, 2019

0
Bebê prematuro: muito amor e cuidados necessários

Bebê prematuro: muito amor e cuidados necessários

Publicado em : Artigos em por : Rede Líderfarma
  • ,
  • ,
  • ,
  • Você acabou de iniciar sua jornada como mãe, mas ainda tem muitas dúvidas, porque seu bebê nasceu antes do esperado? Fique tranquila! O melhor a fazer é não se desesperar e manter uma rotina de cuidados, principalmente nos primeiros meses.

    O DESENVOLVIMENTO DO BEBÊ

    Para que se desenvolva completamente dentro do útero, o bebê precisa de cerca de 40 semanas e, por isso, a data do parto é sempre prevista com base nesse cálculo em uma gravidez sem complicações.  Mas um nascimento prematuro é mais comum do que se imagina e não há motivos para pensar que algo está errado.
    É preciso dedicar uma atenção maior a essas crianças que nascem antes do tempo previsto, para que todas as fases do desenvolvimento sejam garantidas. A idade gestacional e o peso ao nascer é que determinam qual deverá ser o cenário de cuidados de cada bebê. Mas há alguns fatores que podem contribuir para um nascimento prematuro.

    PARTO ANTES DO ESPERADO

    Gravidez de gêmeos e pressão alta durante a gestação podem contribuir para um nascimento antes do esperado, sendo necessária a indução do parto para evitar problemas de saúde para a mãe e para a criança.
    O bebê prematuro precisa de cuidados para se desenvolver completamente e com saúde. Imagem: iStock

    O bebê prematuro precisa de cuidados para se desenvolver completamente e com saúde. Imagem: iStock

    Mesmo em uma gravidez tranquila, pode acontecer da bolsa se romper antes da hora e os pais serem pegos de surpresa, o que aumenta a insegurança, mas não representa riscos. Nesses momentos, mantenha a calma, pois o trabalho de parto exige muito da mulher e todos precisam estar tranquilos.

    QUANDO O BEBÊ PREMATURO VAI PARA A UTI

    Vale lembrar que nem todo bebê prematuro precisa passar pela UTI neonatal. O que vai determinar os procedimentos a serem tomados, além da idade gestacional, são o peso e as complicações que levaram ao nascimento da criança.
    Bebês com menos de 30 semanas ou nascidos com peso inferior a dois quilos deverão ser sempre internados para acompanhamento e ganho de peso. O pediatra é quem vai indicar a necessidade de acordo com o desenvolvimento pulmonar do bebê.
    O período na UTI requer muita compreensão da família tanto com o bebê quanto com a mãe, que ainda não pode estar com seu filho como gostaria. A maioria dos anticorpos o bebê ganha através do contato com a mamãe e com o leite materno, e os bebês prematuros precisam de mais proteção. Portanto, vale o bom senso na hora de visitar o novo membro da família.
    Não estranhe se a mãe ou o pai pedirem que não beije o bebê ou que se afaste se estiver com gripe. Muita empatia nesse momento pode fazer a diferença para a saúde dos bebês. Respeite!

    MEU BEBÊ PODE IR PRA CASA, E AGORA?

    Se o seu pequeno foi liberado para ir para casa, é um sinal de que o organismo amadureceu e a criança está pronta para levar uma vida normal. Mas tenha em mente que o bebê prematuro precisa de muito descanso. Estar diariamente em um local com barulho e muitos estímulos pode deixá-lo mais fragilizado e o silêncio é fundamental.
    Agasalhar bem a criança é uma forma de proporcionar mais aconchego e evitar outras complicações. Muita atenção às vacinas e ao peso do bebê! Volte ao pediatra quantas vezes for necessário para acompanhar de perto o desenvolvimento do seu pequeno.
    Cada prematuro receberá suas próprias recomendações e é muito importante seguir à risca. Mesmo que seu bebê esteja bem e saudável, evite passeios em locais aglomerados como shoppings, festas de aniversário e supermercados. Os bebês prematuros precisam de tempo para se desenvolver completamente.
    Entenda que seu bebê precisa sempre de muito amor, compreensão e cuidados para se desenvolver da melhor maneira. E a Líderfarma tem os melhores medicamentos e produtos para você cuidar da saúde de toda a sua família.
    Fonte: Ministério da Saúde / Crescer