Previna-se contra o câncer colorretal

nov 19, 2020

0
Previna-se contra o câncer colorretal

Previna-se contra o câncer colorretal

O crescente número de casos de câncer de intestino, ou câncer colorretal, mostra que é preciso focar mais em como prevenir e identificar precocemente essa doença. Pessoas com vulnerabilidade para esse tipo de câncer precisam ficar atentas à prevenção, principalmente acima dos 50 anos.

DESENVOLVIMENTO DA DOENÇA

O câncer colorretal costuma se desenvolver a partir de pólipos intestinais. Esses pólipos são pequenas lesões benignas, presentes nas paredes do cólon, que podem se transformar em tumores quando aliados a um estilo de vida não saudável com o passar do tempo.

Veja também Mito ou verdade: 10 fatos sobre a sua saúde que você não sabia

Alguns dos comportamentos que podem ser um gatilho para o aparecimento desse tipo de câncer são o hábito de fumar, consumir bebidas alcoólicas, ter sobrepeso ou obesidade, consumir alimentos como carnes vermelhas e frituras, alimentos ultra-processados (como salsichas, bacon, mortadela), consumir pouca quantidade de frutas, legumes, verduras e cereais integrais durante a vida, além do sedentarismo.

FATORES DE RISCO PARA O CÂNCER COLORRETAL

Além dos hábitos que podem ser causadores da doença, outros fatores relacionados às chances de contrair câncer de intestino são o histórico familiar de câncer colorretal e o histórico pessoal de câncer de ovário, útero ou mama. A presença de outras doenças inflamatórias de intestino como retocolite, doença de Crohn, úlceras crônicas e doenças hereditárias também podem ser responsáveis por aumentar os riscos do câncer.

Mantenha o foco em uma alimentação rica em fibras e nutrientes, para evitar o câncer colorretal. Imagem: iStock

Mantenha o foco em uma alimentação rica em fibras e nutrientes, para evitar o câncer colorretal. Imagem: iStock

QUAIS OS SINTOMAS NO ORGANISMO?

Alguns sintomas são mais frequentemente associados ao câncer de intestino, como a presença de sangue nas fezes, alterações no hábito intestinal, como diarreias ou prisão de ventre alternadas. Dores e desconfortos abdominais também podem estar ligados à doença, além de fraqueza e anemia. Perda de peso sem causas aparentes, alteração no formato das fezes (muito finas e compridas) e massa na região do abdome também são sinais para estar atento.

Veja também Por que a automedicação é um risco?

É possível detectar a presença de um tumor na região do intestino utilizando exames clínicos, laboratoriais ou radiológicos. Os tumores de cólon e reto podem ser detectados com dois exames principais, que são a pesquisa de sangue oculto nas fezes e endoscopias ou colonoscopias. Para realizar o diagnóstico desse tipo de câncer, é preciso recorrer à biópsia, exame no qual se retira uma pequena amostra de tecido do pólipo suspeito através de aparelho introduzido pelo reto. Essa é uma forma segura de saber se há a presença de tumor maligno ou não.

TRATAMENTOS POSSÍVEIS

O câncer de intestino é uma doença altamente curável, se descoberta no início. A cirurgia é o tratamento inicial, pois é necessário retirar a parte afetada. Depois, processos de tratamento como a radioterapia são adequados para diminuir a possibilidade de o tumor retornar. O que vai definir o tipo de tratamento necessário é o tamanho, localização e extensão do tumor. Já quando a doença está espalhada entre o fígado, pulmão ou outros órgãos, o que é chamado de metástase, as chances de cura ficam reduzidas. Por isso, a importância de diagnosticar o câncer colorretal logo no início.

COMO PREVENIR O CÂNCER DE INTESTINO?

Manter o peso corporal adequado, aliando à prática de atividades físicas é o primeiro passo para estar saudável. Mas a alimentação deve caminhar junto. Procure sempre por alimentos naturais, sem tanto processamento. Dar preferência a frutas, verduras, legumes e cereais com fibras ajuda a promover o bom funcionamento do intestino. Evitar vícios como bebidas alcoólicas e tabagismo também são grandes passos para se manter saudável.

Aproveite para cuidar da saúde com as melhores ofertas. Clique aqui e veja nossos produtos

Fonte: Instituto Nacional de Câncer | Ministério da Saúde