Cuidados com a saúde no uso de repelentes

nov 27, 2020

0
Cuidados com a saúde no uso de repelentes

Cuidados com a saúde no uso de repelentes

Durante os meses de verão, o combate ao mosquito Aedes aegypti deve ser ainda mais intensificado, para diminuir os casos de Dengue, Zika, Chikungunya e Febre Amarela. Juntamente com as medidas preventivas que devem ser feitas em todas as casas, eliminando a água parada, diversos tipos de repelentes entram em ação para afastar o inseto. Entretanto, é preciso ter alguns cuidados para manter a saúde quando for usar esse tipo de produto.

CRIANÇAS PEQUENAS NÃO USAM REPELENTES

Segundo o Ministério da Saúde, bebês abaixo de seis meses não devem utilizar repelentes, então a proteção precisa ser feita de outra forma, como com roupas de mangas compridas. Já para as crianças entre seis meses e dois anos, os repelentes à base de IR3535, componente que não representa riscos a crianças ou gestantes e tem duração de proteção de até 4 horas, com aprovação da Anvisa.

Veja também Mito ou verdade: 10 fatos sobre a sua saúde que você não sabia

Se você tem filhos maiores, entre 2 e 12 anos de idade, os repelentes à base de outros compostos como DEET (N-dimetil-meta-toluamida ou N,N-dietil-3-metilbenzamida) ou Idaridina, são ideias para proteger a saúde dos pequenos. Acima dos 12 anos, não há contraindicação para o uso de outros tipos de repelentes.

Siga a frequência de uso dos repelentes corretamente para garantir proteção ao seu organismo. Imagem: iStock

Siga a frequência de uso dos repelentes corretamente para garantir proteção ao seu organismo. Imagem: iStock

ATENÇÃO AO TEMPO DE DURAÇÃO

Além de cada repelente funcionar melhor para uma determinada faixa etária, também é preciso não descuidar do tempo de proteção no corpo. É importante não comparar os repelentes aos protetores solares. A concentração de produto dos repelentes e dos protetores solares têm ação e tempo de duração bem diferentes no corpo.

Veja também Por que a alergia ocular é comum na primavera?

Há repelentes que são mais concentrados e precisam de uma maior frequência de aplicação para que o efeito seja preservado. Mas é bom ficar atento: nas crianças, a frequência de aplicação desses produtos deve respeitar um máximo de três vezes ao dia. Já nos adultos, recomenda-se aplicar repelentes até quatro vezes ao dia.

Vai utilizar o produto juntamente com protetores solares? Então aplique o protetor solar antes do repelente, mantendo um intervalo de, no mínimo, 15 minutos. Assim, o organismo pode absorver o filtro solar sem interferência.

COMO APLICAR REPELENTES CORRETAMENTE

Na hora de aplicar repelente na pele, vale lembrar de algumas regrinhas. Não aplique o produto nas mãos nem ao redor dos olhos ou da boca, pois pode facilitar a aspiração ou a ingestão e causar toxicidade. Também é importante não aplicar em feridas ou machucados em fase de cicatrização.

Veja também Cuide da saúde do seu corpo usando protetor solar

Não há diferenças entre repelentes líquidos, cremes ou aerossóis quanto à proteção contra o mosquito Aedes aegypti. Outras barreiras físicas, como roupas e ventiladores, também são eficazes para minimizar a ação do vetor transmissor de doenças.

Produtos para repelir insetos que liberam substâncias no ar devem ficar em uma distância de dois metros, principalmente em ambientes fechados. Repelentes caseiros fabricados com citronela e andiroba, apesar de trazerem conforto para a pele, não têm eficácia comprovada pela Anvisa. Para manter a proteção contra o mosquito vetor de doenças, encontre os melhores produtos para toda a família.

Clique aqui e veja nossas ofertas

Fontes: Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) | Ministério da Saúde | Médicos Sem Fronteiras (MSF) | Sociedade Brasileira de Dermatologia