Agosto dourado e a importância da amamentação

ago 4, 2021

0
Agosto dourado e a importância da amamentação

Agosto dourado e a importância da amamentação

O mês de agosto começou e inicia com ele a importância de falarmos sobre o aleitamento materno. Com um tema tão importante assim para a vida inteira, nada mais justo que usar a cor dourada para a homenagem, não é?

SEGURANÇA PARA A VIDA TODA

Proteger o ato de amamentar é uma responsabilidade compartilhada, já que os vínculos criados entre mãe e filho através dessa prática são muito valiosos, além de garantirem a imunização e sobrevivência do bebê.

Leia também Vacina BCG: uma das primeiras da vida

Como uma via de responsabilidade pública, o incentivo e apoio às mães puérperas que vão começar a amamentar é essencial para ter sucesso. Assim como a gravidez, o momento da amamentação traz sentimentos diversos e entre eles, a vulnerabilidade.

Mesmo durante a pandemia, o vínculo entre mãe e bebê é essencial.

É importante que as mulheres tenham tempo para dar à luz, se recuperarem e poderem amamentar seus filhos. Ao mesmo tempo, também precisam de compreensão da sociedade para conseguirem garantir seus postos de trabalho remunerados, mesmo após a licença-maternidade.

AMAMENTAÇÃO PROTEGE A MÃE E O BEBÊ

De acordo com a OPAS\OMS, é preciso que todo país tenha implementada a comercialização de substitutos do Leite Materno em todos os níveis. Também é imprescindível que tais diretrizes continuem vigorando nos hospitais e unidades de saúde durante a pandemia causada pelo novo coronavírus.

Leia também Seu filho voltou para a escola? Garanta uma alimentação saudável

Os benefícios da amamentação vão além da interação mãe-bebê. A prática ajuda a prevenir infecções e promover o crescimento saudável da criança. Toda amamentação deve ser iniciada dentro de uma hora após o nascimento, a não ser que haja outro impedimento.

AMAMENTAÇÃO EXCLUSIVA OU NÃO?

A amamentação exclusiva acontece até os bebês atingirem, pelo menos seis meses de idade. O ideal é que após esse período, o aleitamento materno continue sendo a fonte principal de alimento, podendo ou não ser complementado com outros alimentos in natura.

E QUANTO À COVID-19?

As mães e seus bebês precisam permanecer juntos, praticando o contato pele com pele, mesmo diante da possibilidade de infecção pelo vírus da covid-19, aumentando os cuidados com a higiene e uso de máscara, segundo a Organização Mundial de Saúde. Além de diminuir as chances de mortalidade neonatal, o leite materno é o único alimento capaz de garantir a saúde que o bebê vai carregar vida afora.

Fontes: Pan American Health Organization (PAHO) | Ministério da Saúde | Organização Mundial de Saúde