Como os hábitos podem refletir no estômago

dez 9, 2021

0
Como os hábitos podem refletir no estômago

Como os hábitos podem refletir no estômago

Na correria do dia a dia, nem sempre cortamos hábitos que são prejudiciais à saúde. Almoços rápidos, muitas vezes, ligados a frituras, gorduras e produtos industrializados. Refeições sem regularidade e permanecer várias horas sem comer, também são fatores que podem refletir no estômago.

Além do mais, casos de má digestão podem vir a surgir sintomas como azia, gastrite, desconforto abdominais, gases, estufamento e dores de estômago.  

Para prevenir ou tratar o estômago sensível é importante adotar hábitos simples, como: 

  1. Mantenha a calma!

O estresse e a má digestão andam juntos. Pesquisas mostram que níveis baixos de serotonina, muito relacionado ao nosso humor e bem-estar, estão relacionados a processos inflamatórios no intestino e prisão de ventre, tal fato, é devido que 90% serotonina do organismo é produzida pelo intestino.

2. Líquidos nas refeições:

Recomenda-se que a não ingestão de grande quantidade de líquidos durante refeições mais “pesadas”, principalmente, o que pode desencadear uma distensão estomacal e tornar o processo digestivo mais trabalhoso.

3. Mastigação:

Mastigue muito bem os alimentos, pois a deglutição dos alimentos é estágio fundamental para o processo de digestão, facilita a absorção dos nutrientes, bem como, é uma forma de prevenir refluxo e engasgos.

Leia também: Benefícios da alimentação saudável

4. Alimentação:

Evitar comidas gordurosas e ácidas, ultra processados, embutidos e frituras.  É importante investir em legumes, verduras e frutas, alimentos ricos em fibras, vitaminas e minerais, que contribuem para se livrar de certos desconfortos e má digestão. 

5. Água

Hidrate-se bem todos os dias para o bom funcionamento do seu aparelho digestivo. Beber cerca de 2 litros de água por dia, também fora dos horários das refeições. Ingerir pouca água é prejudicial para o corpo todo, não só para a digestão.

Leia também: Hábitos saudáveis para manter na pandemia

Fonte: Cláudia | Associação Paulista Medicina